Participe ao vivo

  • A Voz do Brasil

    A Voz do Brasil

Participe na programação ao vivo da Brasil Sul!

Jornalismo

«
Anterior
Ensinar às meninas que elas têm direitos é 'cruci...
»
Próxima
Malala vai patrocinar três brasileiras que lutam ...

Grupo que estava em caverna perdeu uma média de 2 kg de peso, diz médico


Familiares do 1º grupo de resgatados puderam ver os meninos através de um vidro e conversar por uma linha telefônica.

Reportagem de G1

Os 12 meninos e o seu técnico que foram resgatados da caverna Tham Luang, no norte da Tailândia, perderam uma média de dois quilos durante as mais de duas semanas que permaneceram presos, informaram os médicos nesta quarta-feira (11).

Alguns dos jovens e o treinador têm quadros leves de infecção pulmonar, mas nenhum deles registra problemas graves de saúde e não mostraram sinais de estresse, apontou em entrevista coletiva, o inspetor do departamento de saúde tailandês, Thongchai Lertwilairattanapong.

 

"Por nossa avaliação, estão em bom estado e não exibem estresse. As crianças foram bem cuidadas na caverna. A maioria dos meninos perdeu em média dois quilos", disse.

 

   
Garotos resgatados em caverna da Tailândia passam bem

Garotos resgatados em caverna da Tailândia passam bem

Todos passarão de 7 a 10 dias no hospital provincial de Chiang Rai e depois precisarão ficar mais 30 dias em casa, segundo anunciou o diretor do hospital.

Lertvirairatanapong disse que os meninos estão em "boas condições" apesar de ter pedido peso durante o período que ficaram na cavidade subterrânea. Todos receberam vacinas contra raiva e tétano.

 

"Eles cuidaram bem de si mesmos na caverna", afirmou.

 

Segundo ele, os quatro meninos que foram resgatados no domingo já comem normalmente e caminham pelos corredores do hospital. Eles têm recebido uma dieta leve, com arroz e frango, além de vários suplementos vitamínicos.

Os quatro resgatados na segunda-feira se alimentam com comida leve e devem voltar a receber comida normal nesta quarta.

Na terça, alguns dos garotos recém-resgatados pediram para comer pão com cobertura de chocolate, mas a maioria só vai receber um alimento semelhante ao leite, que é rico em proteínas e nutrientes, segundo a CNN.

 

Nove dias de jejum

 

Lertwilairatanapong atribuiu a relativa boa saúde do grupo ao seu treinador, Ekkapol Ake Chantawong, de 25 anos, um ex-monge, que foi o último a deixar a caverna. "Tenho de elogiar o treinador que cuidou muito bem dos futebolistas", afirmou, segundo a CNN.

O time de futebol Javalis Selvagens, que entrou na caverna no dia 23 de junho, ficou nove dias sem comer antes de serem encontrados por dois mergulhadores britânicos no dia 2 de julho.

Lertvirairatanapong contou que eles conseguiram obter água que pingava dentro da caverna, que foi o que os salvou.

 

"Podemos sobreviver muitos meses sem receber comida, mas o que é necessário é a água, que a caverna tem. E nesse momento há muita na caverna, e eles escolheram água limpa para beber", disse.

 

A operação de resgate, que mobilizou mais de 1000 pessoas, durou três dias. Os primeiros quatro meninos chegaram ao hospital domingo (8). O restante do time foi dividido em dois grupos: um de quatro - retirado na segunda (9) - e um último na que só veio à superfície na terça (10).

Retirá-los da caverna --o que envolveu ensinar os garotos, alguns só de 11 anos e que não eram nadadores exímios, a mergulhar por passagem estreitas e submersas -- foi um desafio monumental, e um ex-membro da unidade de elite da Marinha tailandesa morreu durante uma missão na caverna na sexta-feira.

 

'Adormecidos'

 

Um socorrista que participou da operação de resgate disse á agência France Presse que alguns dos meninos foram resgatados em macas "adormecidos".

"Alguns deles estavam adormecidos, outros moviam os dedos (como se estivessem) 'grogues'. Mas respiravam", explicou o comandante Chaiyananta Peeranarong, ex-membro dos SEALs da Marinha da Tailândia e que foi o último socorrista a deixar a caverna após o resgate do grupo.

 

Contato com a família

 

Os familiares do primeiro grupo de resgatados puderam ter contato com os meninos na terça-feira, embora com medidas cautelares devido ao sistema imunológico ainda fraco deles. Eles tiveram que usar roupas protetoras e ficar a dois metros de distância por precaução.

O segundo grupo de meninos resgatados poderá ver os seus parentes ainda nesta quarta através de um vidro. O terceiro permanecerá pelo menos mais um dia em quarentena.

   
5 fatos sobre o resgate dos últimos meninos presos em caverna na Tailândia

5 fatos sobre o resgate dos últimos meninos presos em caverna na Tailândia

O primeiro-ministro Prayuth Chan-ocha pediu nesta quarta-feira que se dê tempo e espaço para os meninos se recuperarem.

"O importante é... espaço pessoal. Temos que monitorar isso para os meninos porque o sistema imunológico deles ainda está fraco", disse Prayuth aos repórteres.

"A melhor maneira é não aborrecê-los e deixá-los estudar".

 

Entenda o caso

 

 

  • No dia 23 de junho, 12 meninos de um time de futebol e o técnico faziam um passeio de bicicleta e entraram na caverna para se proteger do mau tempo. A chuva ficou intensa, e a água subiu muito rápido, deixando o grupo preso.
  • Eles ficaram isolados e sem comida por 9 dias. Em 2 de julho, mergulhadores ingleses encontraram o grupo, debilitado e com muita fome, a 4 km da entrada da caverna e entre 800 m e 1 km de profundidade.
  • O resgate durou 3 dias. No domingo (8) e na segunda, foram retirados quatro garotos em cada dia. Nesta terça, foram resgatados mais quatro meninos e o técnico.
  • Cada garoto foi conduzido por pelo menos 2 mergulhadores e usou máscara facial de oxigênio durante o percurso até a entrada da caverna, que dura 6 horas. Vários trechos são muito estreitos, com água turva e baixa visibilidade.
  • Os resgatados foram levados de helicóptero para hospital, onde vão ficar em quarentena e observação.

 

Infográfico mostra como foi organizado o resgate de grupo preso em caverna na Tailândia  (Foto: Karina Almeida, Juliane Monteiro e Betta Jaworski/G1) Infográfico mostra como foi organizado o resgate de grupo preso em caverna na Tailândia  (Foto: Karina Almeida, Juliane Monteiro e Betta Jaworski/G1)

Infográfico mostra como foi organizado o resgate de grupo preso em caverna na Tailândia (Foto: Karina Almeida, Juliane Monteiro e Betta Jaworski/G1)